Ritmo de investimento em armazenagem diminui no RGS

 Retração

Ritmo de investimentos em armazenagem diminui no Rio Grande do Sul

Principal polo fabricante de equipamentos de pós-colheita do país, no noroeste do Estado, é impactado pela redução das vendas

 
Por: Joana Colussi, de Condor
02/02/2016 - 07h05min
Ritmo de investimentos em armazenagem diminui no Rio Grande do Sul Omar Freitas/Agencia RBS
Restrição do crédito e aumento do juro reduziram em 25% o faturamento do setor no país em 2015Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Após dois anos de euforia provocada pela liberação de recursos para financiamento de silos, a indústria de armazenagem está funcionando em ritmo bem mais lento. O motivo, segundo os empresários, é a maior restrição na concessão de crédito por parte das instituições financeiras desde a metade de 2015 - quando novas taxas de juro entraram em vigor. Responsável por 60% da produção de equipamentos do pós-colheita do Brasil, a região de Panambi está sentindo em cheio os efeitos dessa retração.

- O mercado está praticamente parado. Os financiamentos estão saindo a conta-gotas - lamenta Edson Schäfer, diretor-presidente da Joscil, fabricante de equipamentos para armazenagem com sede em Condor, no Noroeste.

Leia mais:
Safra de milho é colhida com bom rendimento e alta de preço no RS
Milho tem alta produtividade, mas área plantada é a menor da história
Primeiras lavouras de milho começam a ser colhidas no Estado

Em 2015, as indústrias de armazenagem do país tiveram uma redução de 25% no faturamento, conforme informações da Associação Brasileira de Máquinas (Abimaq). O resultado gerou demissões no setor que tradicionalmente emprega 6 mil pessoas no país.

A Kepler Weber, uma das líderes do setor, aumentou a capacidade de produção nos últimos anos para dar conta do aumento de pedidos. Com volume menor de negócios no segundo semestre de 2015, precisou reduzir o número de funcionários para ajustar-se à nova realidade.

- O setor está apreensivo, mas vislumbrando oportunidades principalmente em investimentos de tradings, cooperativas e cerealistas, que estão sendo beneficiadas pela alta do dólar - completa Vino.

Na Silos Condor Agroindustrial, o juro mais alto também provocou redução nas vendas em 2015.

- Os produtores estão aguardando uma solução para a crise que o país enfrenta - indica Geovan Pohl, diretor comercial da empresa.

Quando o Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) foi lançado, em 2012, a promessa do governo federal era liberar R$ 5 bilhões em crédito durante cinco anos. Nos dois primeiros anos, o planejamento foi cumprido. A partir de 2015, o volume foi reprogramado para R$ 2,4 bilhões, mas nem isso chegou a ser efetivado (veja ao lado).

- Conseguimos incluir a setor dentro do plano safra, mas o programa nacional ainda não saiu do papel - critica o diretor-presidente da Joscil, que não descarta a possibilidade de demissões em 2016.

Pós-colheira no radar

 

Normalmente colhido com alta umidade, de até 25%, o milho é uma das culturas mais sensíveis à secagem e armazenagem. Por essa razão, o tema da abertura oficial da colheita no próximo dia 12, no município de Condor, será a necessidade de investimentos no sistema de pós-colheita.

- O processo é fundamental para garantir a qualidade do grão - destaca Claudio de Jesus, presidente da Associação dos Produtores de Milho do Estado (Apromilho).

Pelo padrão comercial, tanto no mercado interno quanto na exportação, o grão precisa ser secado e limpado para ficar com umidade máxima de 14% e 1% de impurezas.

- O milho exige uma secagem imediata após a colheita para evitar a proliferação de fungos - explica Ronaldo Ernesto Müller, gerente de armazenagem de grãos da Cotripal Agropecuária Cooperativa, de Panambi.

A colheita do cereal com alta umidade é feita para evitar a quebra dos grãos, por características físicas do produto, ou também pela janela curta de plantio da safrinha.

- Muitos produtores têm silos próprios, mas não têm secadores suficientes para dar conta do volume de grãos - completa Müller.

Crédito para armazenagem

Safra 2013/2014 
Programado R$ 4,5 bilhões 
Efetivado R$ 4,5 bilhões 
101,1%

Safra 2014/2015 
Programado R$ 4,5 bilhões 
Efetivado R$ 4,52 bilhões 
100,4%

Safra 2015/2016 
Programado R$ 2,4 bilhões 
Efetivado R$ 899 mil 
37,5%

Fonte: Banco Central

Zero Hora - 02/02/2016 Campo e Lavoura

>> Mais notícias

24/08/2017

Comissão aprova proj. de Katia Abreu que suspende cobrança do Funrural

25/05/2017

Simpósio do Leite abordará Biosseguridade

10/05/2017

Biosseguridade e bem-estar na produção suína

03/03/2017

Audiência pública proposta por Weber discutirá decreto para suinocultu

16/12/2016

CP: Kerber vai para 7º mandato

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem