Risco de difusão de aftosa pela carne suína em estudo no RS

 Risco de difusão de aftosa pela carne suína em estudo no RS

 

A Associação Brasileira de Proteína Animal e o Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos do RS, em parceria com o FUNDESA, vão realizar um estudo de “Avaliação de risco de difusão de febre aftosa em carne suína exportada pelo RS”..

 

O trabalho será executado pelo Laboratório de Epidemiologia Veterinária e Planejamento de Saúde Animal (Epiplan) da Universidade de Brasília (UnB).. A coordenação será do professor Vitor Picão Gonçalves (UnB) e contará com a participação dos especialistas norte-americanos Mo Salman e Ian Gardner.

 

O objetivo do trabalho é avaliar as condições de biossegurança e controle das granjas, a atuação do serviço oficial na defesa e vigilância e também o trabalho de assistência técnica e orientação das empresas. “Será avaliada toda a estrutura produtiva da carne suína no RS”, afirma o presidente do Fundesa, Rogério Kerber. “Já sabemos, por todos os controles da cadeia, que o risco da febre aftosa se difundir através da suinocultura é desprezível e o trabalho deverá comprovar nossa percepção.”

 

O estudo deve ficar pronto ainda este ano e a intenção das entidades é levar o resultado a todos os fóruns possíveis, informa Kerber. No Brasil, as cadeias da avicultura e suinocultura já têm programas de compartimentalização em desenvolvimento. No caso dos suínos,  o Rio Grande do Sul vem sendo considerado modelo de controle e eficiência de biosseguridade. 

 

Assessoria de Imprensa -Fundesa 

>> Mais notícias

25/05/2017

Simpósio do Leite abordará Biosseguridade

10/05/2017

Biosseguridade e bem-estar na produção suína

03/03/2017

Audiência pública proposta por Weber discutirá decreto para suinocultu

16/12/2016

CP: Kerber vai para 7º mandato

16/12/2016

O Sul: Rogério Kerber é reeleito presidente do Fundesa

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem