Tempero russo

 

TEMPERO RUSSO

A cada novo balanço divulgado pelo setor, os números mostram por que a indústria tinha razão em insistir na briga pela retomada e ampliação do mercado russo para a carne brasileira.

Conhecida como boa remuneradora, a Rússia respondeu, em outubro, por 60,67% da receita e 46,68% do volume dos embarques de carne suína do Brasil, consolidando a posição de principal destino neste ano.

– O histórico de altos e baixos no relacionamento comercial com a Rússia, que ora abria, ora restringia suas importações, nos coloca em posição de cautela. De todo modo, com as vendas crescentes, podemos dizer que este é o ano da Rússia – afirma Francisco Turra, presidente-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Resultado que chega também ao Rio Grande do Sul, segundo no ranking dos exportadores nacionais em outubro e que tem seis frigoríficos de suínos habilitados para vender à Rússia.

– Houve um momento de custo de produção estabilizado, apesar de altas em transporte e tecnologia – completa Rui Saldanha Vargas, vice-presidente de suínos da ABPA, sobre a oferta de itens usados na ração, que representam entre 70% e 80% dos custos.

A boa notícia é que, com esse cenário, a carne suína, um dos produtos mais procurados para as festas de final de ano, não deve ter reajuste significativo, estima o vice-presidente da ABPA.

Fonte: Zero Hora - Campo Aberto

>> Mais notícias

25/05/2017

Simpósio do Leite abordará Biosseguridade

10/05/2017

Biosseguridade e bem-estar na produção suína

03/03/2017

Audiência pública proposta por Weber discutirá decreto para suinocultu

16/12/2016

CP: Kerber vai para 7º mandato

16/12/2016

O Sul: Rogério Kerber é reeleito presidente do Fundesa

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem