Recomendações de boas práticas ambientais vão chegar aos suinocultores

 16/06/2014

Recomendações de boas práticas ambientais vão chegar aos suinocultores

 

Depois de quatro meses de intenso trabalho, o Guia de Recomendações Básicas de Sustentabilidade Ambiental para a Produção de Suínos, começa a chegar às mãos dos produtores e técnicos ligados ao setor no Rio Grande do Sul. A publicação, de 60 páginas, foi desenvolvida pelo Fundesa em parceria com diversas entidades como Sips, Acsurs, Emater, Embrapa, Fepam, Mapa e Secretaria da Agricultura. O lançamento aconteceu nesta sexta-feira (13), durante programação técnica da Suinofest, em Encantado (RS).
 
O conteúdo do guia foi elaborado ao longo de encontro durante o mês fevereiro, com quarenta representantes de diversas entidades, em Salvador do Sul. A proposta para elaboração da publicação surgiu no final de 2013, por demandas do setor de suínos durante assembleia geral do Fundesa.  A tiragem inicial é de 12 mil exemplares e a distribuição será gratuita.
 
O objetivo do guia é tornar as informações sobre boas práticas ambientais e exigências para execução da atividade mais claras e acessíveis aos produtores. O presidente do Fundesa, Rogério Kerber, afirma que a construção da publicação foi o primeiro passo. “Agora, precisamos fazer com que os produtores acreditem e coloquem em prática essas recomendações, de forma que a suinocultura seja uma atividade reconhecida pelo produto final de qualidade que gera, com responsabilidade ambiental.”
 
Antes do lançamento, ocorreu um Seminário com os cinco principais eixos do guia. A engenheira ambiental Andrieta Anater, falou sobre a “Água” e a importância de preservar este recurso finito e vulnerável. O médico veterinário Luciano Brandalise falou sobre “Aspectos de biossegurança nas granjas” e lembrou que “todas as granjas, de qualquer tamanho, precisam praticar biossegurança, pois as doenças não escolhem CNPJ nem endereço.” O engenheiro agrônomo Luciano Cremonese abordou o tema “Resíduos sólidos não-orgânicos”, e salientou a importância da implantação de coleta seletiva nas granjas, bem como ter atenção ao descarte de resíduos sólidos, gerados em grande volume na produção de suínos.  O engenheiro agrônomo Henrique Bartels falou sobre “Resíduos orgânicos” e lembrou que a gestão deste quesito começa no cálculo da ração que, se feito corretamente, gera melhor conversão e menor volume de dejetos. O médico veterinário Nelson Grzybowski, falou sobre “Licenciamento ambiental” e afirmou que a questão de sustentabilidade é um desafio diário para a suinocultura, e o setor está organizado para melhorar a relação com este quesito.
 
Peste Suína Clássica
 
O diretor do Departamento de Defesa Agropecuária da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, Eraldo Marques, afirmou, durante discurso no lançamento do guia, que irá a Brasília na segunda-feira, para tratar sobre o reconhecimento do Rio Grande do Sul e Santa Catarina como áreas livres de Peste Suína Clássica (PSC) junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Até agora, a certificação de área livre da doença ocorre por auto-declaração, pelo Ministério da Agricultura.  Mas integrantes do Fonesa - Fórum Nacional dos Executores de Sanidade Agropecuária, querem pedir mais prazo para a comunicação e adesão do Mapa junto à OIE, neste quesito, para que outros 14 estados possam conquistar a certificação junto ao órgão internacional. Marques afirma que vai brigar pela segmentação, “Rio Grande do Sul e Santa Catarina fizeram o tema de casa, não é justo que tenhamos que esperar mais para garantir o reconhecimento da OIE.”
 
Assessoria de Imprensa - Fundesa

>> Mais notícias

25/05/2017

Simpósio do Leite abordará Biosseguridade

10/05/2017

Biosseguridade e bem-estar na produção suína

03/03/2017

Audiência pública proposta por Weber discutirá decreto para suinocultu

16/12/2016

CP: Kerber vai para 7º mandato

16/12/2016

O Sul: Rogério Kerber é reeleito presidente do Fundesa

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem