Três empresas brasileiras começarão a exporta para a Rússia

 

Três empresas brasileiras começarão a exportar para a Rússia

Destas, dois são de abate de bovinos e uma de abate de suínos. São elas: Frigorífico Astra, do Paraná (SIF 1251); VPR Brasil, Paraná (SIF 2153); Vale Grande e Seara Alimentos, Santa Catarina (SIF 3392).

 

Terça-feira, 20 de Maio de 2014 às 08h37

 
Três empresas brasileiras começarão a exportar para a Rússia

Dez empresas que estavam em restrição temporária poderão voltar a exportar

No primeiro quadrimestre de 2014, o Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor) habilitou três empresas brasileiras para exportarem ao país. Destas, dois são de abate de bovinos e uma de abate de suínos. São elas: Frigorífico Astra, do Paraná (SIF 1251); VPR Brasil, Paraná (SIF 2153); Vale Grande e Seara Alimentos, Santa Catarina (SIF 3392).

De acordo com a Secretaria de Relações Internacionais (SRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o serviço russo retirou dez estabelecimentos que abatem aves, suínos e bovinos da condição de restrição temporária. Com a decisão, as empresas poderão voltar a exportar ao país. São elas: Alibem Comercial de Alimentos, do Rio Grande do Sul (SIF 2146); Pamplona Alimentos, Santa Catarina (SIF 377); Seara, Rio Grande do Sul (SIF 12); Minerva, São Paulo (SIF 421); Minerva, Tocantins (SIF 1940); Aurora Alimentos, Santa Catarina (SIF 601); Seara, São Paulo (SIF 1194), BRF, Goiás (SIF 1001), Seara, Santa Catarina (SIF 490) e Seara, Minas Gerais (SIF 2869).

“A liberação dessas plantas mostram a confiança internacional em relação ao serviço sanitário brasileiro. Esperamos esse ano que outros frigoríficos também possam ser liberados para exportar a outros mercados”, afirmou o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Neri Geller.

Atualmente, 62 estabelecimentos podem exportar para a Rússia. Deles, 57 sem qualquer restrição e cinco com monitoramento laboratorial reforçado. Para a carne bovina, 24 empresas podem exportar (20 sem qualquer restrição e quatro com monitoramento laboratorial); Para a carne suína, nove podem exportar (oito sem qualquer restrição e um com monitoramento); 12 estabelecimentos de carnes de aves, dois de carne equina e 15 de rações, aditivos e alimentos para cães e gatos podem exportar sem qualquer restrição.

Retificação

A empresa Vale Grande de Mato Grosso (SIF 4490); JBS, Goiás (SIF 2058), citadas na matéria anterior, não estão habilitadas para exportação à Rússia.

Fonte: Redação BeefWorld, adaptado do MAPA

Fonte: PORKWORLD - mega portal da Suinocultura Brasileira 

 

>> Mais notícias

25/05/2017

Simpósio do Leite abordará Biosseguridade

10/05/2017

Biosseguridade e bem-estar na produção suína

03/03/2017

Audiência pública proposta por Weber discutirá decreto para suinocultu

16/12/2016

CP: Kerber vai para 7º mandato

16/12/2016

O Sul: Rogério Kerber é reeleito presidente do Fundesa

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem