Epidemia suína na EUA reforça cuidados

 

08 de abril de 2014 | N° 17757

INFORME RURAL | JOANA COLUSSI (Interina)

  • Epidemia suína nos EUA reforça cuidados

    À medida que o vírus da diarreia epidêmica suína avança pelo rebanho dos Estados Unidos, aumenta a preocupação dos produtores brasileiros em manter a doença longe do país. O vírus se espalhou em 27 Estados americanos, provocando a morte de 7 milhões de cabeças. Receosos com o risco de proliferação, a indústria de carne suína quer interromper as importações de animais vivos (reprodutores), material genético e plasma de suínos dos Estados Unidos.

    – Pedimos a suspensão temporária até que tenhamos garantias de que o risco do vírus chegar ao Brasil está distante – aponta Rui Vargas, vice-presidente para o segmento de suínos da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

    Em encontro amanhã com o ministro da Agricultura, Neri Geller, dirigentes da entidade irão reforçar o pedido. No mesmo dia, o Ministério da Agricultura inaugura instalações especiais para quarentena de suínos importados. Na Estação Quarentenária, em Cananeia (SP), os animais e o material genético importados serão retidos e liberados após a comprovação de sanidade.

    – A medida é positiva para mitigar o risco, mas não resolve o problema por completo – reforça Vargas.

    Até agora, o ministério mantém a posição de não suspender as compras dos EUA, maior exportador mundial de carne suína. Conforme especialistas, o vírus não afeta humanos e não traz riscos à alimentação.

    – O momento requer muito cuidado por parte dos criadores e da indústria. Os produtores precisam reforçar o cuidado com suas granjas – alerta Valdecir Folador, presidente da Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs).

    Conforme a ABPA, compradores internacionais como México, Japão e Ucrânia já sondaram a indústria brasileira diante da queda de produção dos EUA. O Brasil é hoje o quarto maior exportador de carne suína do mundo – com 520 mil toneladas por ano, cerca de 15% da produção. No cenário brasileiro, o Rio Grande do Sul é o segundo maior produtor e exportador, com 165 mil toneladas (23% da produção) embarcadas por ano ao Exterior Se a lição de casa for cumprida pelos órgãos de sanidade, o Brasil poderá se beneficiar com a epidemia, abocanhando mercados perdidos pelos EUA.

  • Fonte: Zero Hora 08/04/2014

  •  

>> Mais notícias

24/08/2017

Comissão aprova proj. de Katia Abreu que suspende cobrança do Funrural

25/05/2017

Simpósio do Leite abordará Biosseguridade

10/05/2017

Biosseguridade e bem-estar na produção suína

03/03/2017

Audiência pública proposta por Weber discutirá decreto para suinocultu

16/12/2016

CP: Kerber vai para 7º mandato

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem