Missão russa que avaliará controle da ractopamina em bovinos chega ao

 SANIDADE

Missão russa que avaliará controle da ractopamina em bovinos chega ao Brasil neste domingo

Serviço de vigilância veterinária e fitossanitária do país pretende visitar ao menos 14 indústrias exportadoras no país

Claudio Vaz
Foto: Claudio Vaz
Segundo Abrafrigo, frigoríficos exportadores filiados têm adotado análises laboratoriais internas

 

A missão do Serviço Sanitário da Rússia (Rosselkhoznadzor), que vai avaliar o controle dos frigoríficos brasileiros sobre o uso do anabolizante ractopamina, desembarca no Brasil neste domingo, dia 24, e pretende visitar ao menos 14 plantas industriais exportadoras em várias regiões do país, além de algumas propriedades rurais. 

>> Leia mais notícias sobre gado de corte

A equipe russa foi dividida em duas para uma melhor cobertura do território brasileiro: a primeira visitará oito frigoríficos de Goiás, Minas Gerais, Paraná e São Paulo e a segunda fará visitas a seis unidades nos Estados de Roraima, Mato Grosso e São Paulo. No final das visitas, no dia 6 de dezembro, uma reunião na Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), em Brasília, irá avaliar os resultados das visitas.

De acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), o Brasil está correndo o risco de perder parte significativa de um dos seus mais importantes mercados de carne bovina. O Rosselkhoznadzor já vem proibindo a aquisição de frigoríficos que fornecem o produto com sinais do anabolizante.

– A Abrafrigo tem feito campanhas de esclarecimento sobre o uso de anabolizantes e os prejuízos que eles podem trazer para as exportações do país, mas a maioria dos criadores desconhece esse risco. No Brasil, por sinal, existe uma legislação que proíbe a comercialização de produtos à base de ractopamina, mas não há fiscalização efetiva do Mapa – alertou o presidente executivo da entidade, Péricles Salazar.

Segundo a Abrafrigo, desde novembro do último ano, o Mapa suspendeu a importação e a comercialização no Brasil dos anabolizantes da marca Optaflexx, fabricado pela Eli Lilly do Brasil, e Zilmax, da Intervet do Brasil Veterinária, mas, na prática, isso não reduziu a utilização dos anabolizantes. A importação, produção, comercialização e o uso de anabolizantes hormonais para fins de crescimento e ganhos de peso em bovinos de abate são proibidos através da Instrução Normativa n 55 de 1º de Dezembro de 2011.

– Para evitar o risco de comprometermos nossas vendas para a Rússia, precisamos de ampla campanha de esclarecimento e uma ação mais efetiva de fiscalização por parte do Mapa e dos órgãos estaduais de fiscalização, uma vez que as restrições russas vão se acentuar daqui para frente – ressaltou Salazar.

Conforme a Associação, os frigoríficos exportadores filiados da Abrafrigo têm tomado todas as precauções possíveis, incluindo a adoção de análises laboratoriais internas. Porém, para a entidade, a fiscalização oficial contra o uso da ractopamina no campo é incipiente.

 – É urgente que as autoridades sanitárias do setor público brasileiro compreendam definitivamente a extensão desse problema e de imediato iniciem ações que visem eliminar a ractopamina na alimentação do gado bovino nacional – comunicou a Abrafrigo.

 

SAFRAS & MERCADO E ABRAFRIGO

Fonte: Canal Rural

 

>> Mais notícias

25/05/2017

Simpósio do Leite abordará Biosseguridade

10/05/2017

Biosseguridade e bem-estar na produção suína

03/03/2017

Audiência pública proposta por Weber discutirá decreto para suinocultu

16/12/2016

CP: Kerber vai para 7º mandato

16/12/2016

O Sul: Rogério Kerber é reeleito presidente do Fundesa

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem