Abipecs nega embargo da Rússia à carne suína brasileira

 

  • HOME
  • NOTÍCIAS
 

Abipecs nega embargo da Rússia à carne suína brasileira

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipes), Rui Vargas, negou a notícia de que a Rússia teria anunciado embargo à carne suína de 10 frigoríficos brasileiros...

Quarta-feira, 2 de Outubro de 2013 às 12h00

 

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipes), Rui Vargas, negou a notícia de que a Rússia teria anunciado embargo à carne suína de 10 frigoríficos brasileiros, divulgada nesta quarta, dia 2, por agências internacionais.

– Nós vamos continuar informando para toda a população e todos os segmentos de que essa notícia não é verdade. É uma notícia truncada ou um mal entendido, que até nos leva a pensar em algo tendencioso – enfatizou Vargas em entrevista ao programa Mercado e Companhia, do Canal Rural.

Mais cedo, a agência EFE informou que o  Serviço de Inspeção Agrícola e Criação de Gado (SIAG) da Rússia teria comunicado que 10 frigoríficos do Brasil estariam proibidos de fornecer seus produtos para o mercado da União Aduaneira (UA), formada por Rússia, Belarus e Cazaquistão.

Segundo a EFE, que citou um comunicado do SIAG, a decisão teria sido tomada depois da inspeção realizada por veterinários russos em 18 empresas brasileiras, onde teria sido constatado “descumprimentos generalizados e alguns particulares" das normas sanitárias da UA na maioria delas. As inspeções teriam revelado a presença de ractopamina (uma substância para estimular o crescimento muscular dos animais proibida na Rússia) na carne vendida no Brasil.

– Jamais houve qualquer violação, nem no ano passado, nem neste ano. Não houve constatação de resíduo em carne suína exportada. Essa notícia não nos diz nada real porque nem 10 estabelecimentos habilitados para a Rússia nós temos no momento – acrescentou o presidente da Abipecs.

Vargas esclarece que o assunto está sendo tratatado em nível de Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Segundo ele, a Rússia acredita que deve haver, por parte das autoridades brasileiras, um número maior de análises para comprovar de forma mais eficaz a ausência de determinados tipos de resíduos na carne exportada.

– Isso não significa que existe o fato real, mas que existe essa possibilidade caso o número de análises não aumente – enfatiza.

A partir desta quarta, nove unidades frigoríficas de produção bovina e apenas um de carne suína estão impedidas de vender à Rússia.


Fonte: ABIPECS

Fonte: PORKWORLD - o mega portal da Suinocultura Brasileira

>> Mais notícias

25/05/2017

Simpósio do Leite abordará Biosseguridade

10/05/2017

Biosseguridade e bem-estar na produção suína

03/03/2017

Audiência pública proposta por Weber discutirá decreto para suinocultu

16/12/2016

CP: Kerber vai para 7º mandato

16/12/2016

O Sul: Rogério Kerber é reeleito presidente do Fundesa

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem