Cervejas artesanais e banha de porco

Coluna do comentarista David Coimbra em Zero Hora dia 31/03/2012.

Cervejas artesanais são a nova tendência. Cervejas caseiras, feitas com o carinho da mãe ao pé do fogão, algumas mais frutadas, outras de insinuância agridoce, como de insinuância agridoce são certas mulheres, a maioria densa, cremosa feito um sorvete belga, deliciosas, originais, quase exclusivas.

O meu amigo Marcelo Rech disse que existem 10 mil marcas de cervejas artesanais nos Estados Unidos. No Grande Irmão do Norte, você pode tomar três cervejas artesanais diferentes por dia, durante dez anos, sem repetir marca. Mas o que é que nós estamos fazendo, que não estamos nos Estados Unidos, avaliando com critério essas cervejas, me diga?

O fato é que cervejas artesanais me interessam, sim senhor. Tudo o que se refere a comida & bebida me interessa. A banha de porco, por exemplo. Temos que fazer algo para recuperar o prestígio da banha de porco. Nenhum feijão é tão saboroso quanto o que é preparado com banha de porco. Ovo frito na banha de porco, as bordas da clara sequinhas e da cor do caramelo, o centro da clara duro e macio, a gema mole a se derramar sobre o monte de arroz, ovo frito desse quilate é de comer com lágrimas nos olhos, em sua genial simplicidade. Quando eu era guri e minha mãe passava por dificuldades financeiras, a manteiga virou proibitiva devido ao preço. Então, eu comia pão com banha e sal. E era ótimo!

Banha de porco. Precisamos tirar a banha de porco do ostracismo, eu e você. Sei que não será fácil nesse tempo em que as pessoas se recusam, entre outros absurdos, a comer torresmo. Para o meu avô, torresmo era uma iguaria. Comia-o com cerveja preta, como tira-gosto, e sorria ao comer. Mas alguém disse que torresmo faz mal por algum motivo, então as pessoas baniram o torresmo para sempre, como Adão e Eva foram banidos do Éden. E, no lugar do torresmo, o que elas colocaram?

Você não vai acreditar.

No lugar do torresmo, elas colocaram TOMATE SECO. Cristo, mas como é que um ser humano se compraz em comer tomate seco? E, repare, fala aqui um admirador incondicional do tomate, o “pomodoro” dos italianos. Mas aprecio o tomate em fatias, como complemento de saladas, ou transformado em molho, para temperar o espaguete. Digo mais: considero o molho branco uma fraude. Molho, para mim, tem de ser vermelho, o tomate como base. Certo. Mas não posso admitir que alguém considere tomate seco comida digna de ser citada em em placas de restaurantes como um dos trunfos do cardápio. “Prove nossa salada de tomate seco”. Por favor! Mantenha-me longe desse lugar.

Felizmente, o tomate seco saiu de moda. Hoje, o tomate seco é como o Orkut, que caminha par ao olvido. O salmão também está perdendo espaço gradualmente, o que até acho injusto. O salmão fez por merecer tudo que conquistou a partir dos anos 90, e ainda hoje podemos ser felizes com uma salada de salmão como a que o Z Café dos meus amigos Carlo e Sandro serve, ali no Moinhos de Vento.

O importante é que saibamos diferenciar o essencial do passageiro. Há o que seja re-al-men-te importante, e há o perfunctório. O que é re-al-men-te importante na atuação de um juiz de futebol?

É a disciplina. É conduzir o jogo de forma segura. Quando as partidas terminam com jogadores com ossos quebrados, como estamos vendo atualmente, há algo errado com a arbitragem. Algo visceral, definitivo, conclusivo, algo que interessa de fato, como comida e bebida. Nada é mais importante do que comida e bebida. E segurança. Com comida, bebida e segurança podemos ser felizes. Sobretudo se a felicidade tiver o tempero da banha de porco

 

Fonte: Zero Hora

>> Mais notícias

10/04/2019

Frente em Defesa do Milho tem adesão de 27 deputados

09/04/2019

Deputados querem criar Frente em Defesa da Cultura do Milho

08/11/2018

Presidente Fundesa fala sobre desafios sanidade animal

04/09/2018

Surto de Peste Suína Africana na Ásia exige atenção em biosseguridade

29/08/2018

Presidente do Fundesa recebe Medalha Assis Brasil

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem