Venda de carne suína à Argentina é freada

28/02/2012

Folha de S. Paulo
Maeli Prado


Quase um mês após a Argentina impor a necessidade de autorização prévia para todas as importações, as exportações brasileiras de carne suína para o país, que representa 9% do mercado, estão praticamente paradas.

Para o governo brasileiro, essa é hoje a maior preocupação na relação com o vizinho.

Dados do Ministério do Desenvolvimento apontam que as vendas de carne de porco aos argentinos em fevereiro, até a quinta passada (dia 23), foram de 30 toneladas por dia, em média, uma redução de 77,5% na comparação com o mesmo período de 2011.

"Exportações para lá estão quase congeladas. Tradicionalmente, vendemos 4.000 toneladas", diz Pedro de Camargo Neto, presidente da Abipecs (Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína).

Camargo Neto crê que o número tenha saído do zero porque algumas exportações de janeiro podem só ter sido contabilizadas agora. Em relação ao primeiro mês do ano, as exportações de carne de porco caíram ainda mais: 83,7%.

Na semana passada, representantes do setor estiveram na Secretaria de Comércio Exterior para pedir providências em relação ao tema.

"A venda de carne suína é a nossa principal preocupação agora em relação à Argentina", afirma Tatiana Prazeres, secretária de Comércio Exterior do ministério. "Nas exportações em geral, não houve redução de vendas."

Em 2011, o Brasil exportou US$ 1,4 bilhão em carne suína a outros países. A Argentina respondeu por US$ 129,3 milhões desse total.

Desde 1º de fevereiro, por determinação do governo argentino, todas as importações necessitam de autorização para ingressar no país.

Pela regra, os importadores precisam pedir permissão prévia e esperar pela aprovação para ter acesso à compra.

Quando a medida foi anunciada, o Brasil não descartou retaliar o país por protecionismo, mas preferiu esperar até março para ter uma melhor avaliação dos impactos e definir uma linha de ação.

VIAGRA SUÍNO

O porco ganhou importância no cardápio dos argentinos após uma queda significativa no consumo de carne bovina --com a crise, o rebanho do país vizinho diminuiu e os preços aumentaram.

 

>> Mais notícias

10/04/2019

Frente em Defesa do Milho tem adesão de 27 deputados

09/04/2019

Deputados querem criar Frente em Defesa da Cultura do Milho

08/11/2018

Presidente Fundesa fala sobre desafios sanidade animal

04/09/2018

Surto de Peste Suína Africana na Ásia exige atenção em biosseguridade

29/08/2018

Presidente do Fundesa recebe Medalha Assis Brasil

Ver todas as notícias

<< Voltar

Nome

E-mail

Mensagem