Países africanos na lista de clientes de frigorífico do RS

 

O embargo chegou a assustar Matheus Corrêa da Silva, diretor de exportação do Frigorífico Silva, com matriz em Santa Maria, na Região Central. Principal importador de cortes dianteiros, a Rússia deixou de ser cliente com a decisão do governo. O problema surgido com a restrição encontrou na diversificação de mercados uma solução.

Países africanos que nem eram atendidos pelo frigorífico viraram os grandes compradores, com destaque para Egito e Angola. Os egípcios, que não tinham negócios com a empresa, se transformaram em principal cliente em menos de um ano.

A Líbia, que também não fazia parte do grupo de importadores, entrou no mercado. Por meio de parcerias, garantiu bons negócios. No Leste Europeu, outro nicho: a Ucrânia passou a importar cortes gaúchos e Hong Kong virou compradora de miudezas, que normalmente não geram boas vendas no Brasil.

O mercado interno também recebeu atenção. Houve fortalecimento, especialmente nos cortes traseiros, como picanha e filé, mais requisitados pelos brasileiros, que têm alto valor de comércio, superior, inclusive, aos dos estrangeiros. Mesmo assim, o fim do embargo é aguardado com ansiedade.

– Estivemos em uma feira na Alemanha e tivemos uma procura muito grande do mercado russo. Eles pagam bons preços. Será um acréscimo grande – diz Silva.

RAFAEL DIVERIO

 

Fonte: Zero hora: 13/01/2012

>> Mais notícias

15/05/2020

Alimente a esperança

28/02/2020